quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Poesia: Saudade de ser um Pássaro


Saudade de ser um Pássaro

Queria ser como o pássaro,
Para ter asas e voar.
Ir para uma montanha,
E nunca mais voltar.

Quem me dera nesta triste sina,
Minha poesia se calar.
Para meus versos se conterem
E não poder no tempo morar.

Ai! Como dói minha saudade.
As lágrimas que soam, não conseguem parar.
E nos sonhos ficam perdidos
O som, o beijo e o dom de amar.

Mas para que me serve o amor,
Se a saudade vem me roubar?
Far-te-ei os meus beijos,
Que a saudade vem me acalentar.

Tornar-te triste,
Sem mágoas, e sem cantar.
Soou entre as brumas
Em minhas lágrimas ao mar.

E o pássaro voou,
Sem saber, sem querer voltar.
Minha saudade aperta-me.
Não consigo. Não consigo respirar.

Minha sina suspende-se
Sem entender o que é amar.
Ai! Que triste saudade.
Que pássaro que não quer voar!

Ficar preso nas águas do pensamento.
Confusas rotinas a circular.
A nostalgia se cala,
Os versos voltam ao seu lugar.

Sentirei o toque do amor novamente?
Quem me dera que meu pássaro pudesse voltar.
Só assim. Discreto e estrondoso.
Eu conseguiria me libertar.

12/12/09
(Do livro: "O silêncio do pensamento" Fábio Aiolfi, 2010)
Fábio Aiolfi

4 comentários:

Anônimo disse...

ameiii... y love you! Luanny

Vilma disse...

Lindo, como sempre,Fábio!Grande beijo no coração,Vilma Belfort.

Elayne C.A. disse...

Esse eu adoro! E fiquei interessada no seu livro infantil e o "Entre o amor e a fogueira" Como faço para adquiri-los? bjo, mocinho!

Gisis disse...

Muitas vezes somos um pássaro imaginário e vc o foi nesta lindissima poesia.Parabéns!Beijocass Giselda