quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Texto de Despedida

Um ano de maravilhosas conquistas e constantes derrotas. 2009 ficará sim gravando em minha mente e carreira. Um ano onde consegui tantos trabalhos e realizações, não poderia ficar no esquecimento. Pena ainda sentir saudades de pessoas que não estão perto de mim. E falando nisso, conheci muita gente competente. Muitos artistas maravilhosos, que mesmo plugados por um cabo da net, podemos compartilhar o verdadeiro sentido da arte. Já que o mundo seguiu com as tecnologias, nós artistas, devemos segui-lo. Pena também, me decepcionar com tantas pessoas, mas o ser humano, esse não podemos prever. Nem nas cartas do tarô. E às vezes é melhor viver sozinho, do que ao lado de que lhe faz mau. Como diz no livro “Caçador de Pipas” o pior pecado do ser humano é roubar. Roubamos o direito da verdade, quando mentimos, roubamos o direito da vida, quando matamos.

As pessoas às vezes são um tanto egoístas, também sou, e por que não? Não dão valor a quem os ama, e às vezes, se perde em uma das estradas do mundo. Às vezes a amizade fica guardada por sete chaves, e com tantas chaves até esquecemos que existe. Meu maior erro, acredito eu, nesse ano, foi investir em pessoas que não mereciam. E claro, ter deixado a desejar a quem merecia.

Mas lembrando de um conselho de um grande mestre, Gil Mendes: “Todas as experiências são válidas”. Concordo. São com essas que os artistas vão se desenvolver... Criar. Como podemos escrever sobre o amor, ódio, amizade, afeto, sem saber o que são? Temos que viver sim... Pena que muitas vezes dói demais. Dói saber que nossa luta nunca terá uma batalha ganha. E temos que caminhar sozinhos.

Às vezes as pessoas trocam nossa arte, por lixo cultural. E nosso teatro, a escrita, a pintura, a poesia, e muitos sonhos vem se despedindo. Um dia a população não terá mais nada descente. E o mundo será uma catástrofe, não quero profetizar, mas isso está claro aos dias de hoje.

Estou muito triste com isso. Mas deixando as decepções de lado. Meu livro sai daqui uns dias. Estou muito feliz por conta disso.

Que ano! Ufa! Chega ao fim. Estamos nos últimos dias, daqui a pouco é natal. E logo, ano novo. Guardarei meus espetáculos, meus jornais, meus livros, e ano que vem, tudo será diferente. Talvez muitos não estejam aqui, talvez eu não esteja mais aqui.

Fábio Aiolfi

Um comentário:

angellamaria@gmail.com disse...

Fábio...Com alegria que sempre te recebo em minhas manhãs. Você é tempero poetico que da gosto a minha poesia. Parabens Fábio...sei trabalho é maravilhoso. bjos e boa sorte. angela